#Hashtag no Facebook? Isso mesmo!

tumblr_lsvc8vq8uI1r1qxnv

Não há quem acesse o twitter que não saiba o que é uma #hashtag!

Bom, talvez algumas pessoas ainda não saibam, mas a #hashtag é uma maneira dos usuários se agruparem ou identificarem mensagens sobre algum tema, notícia, fato ou evento e podemos citar como exemplo o famoso #CalabocaGalvão ou até mesmo a nossa: #PublicitárioPobre. Elas ainda possuem funções de tags.

E agora o Facebook irá aderir também ao movimento a fim de promover maiores discussões sobre diferentes temas.

Mas calma, de acordo com nota divulgada pelo “Wall Street Journal”, ainda não existem informações precisas em relação há quanto tempo a Rede Social Facebook vem trabalhando nesta ideia e também não divulgaram uma data mais precisa sobre isso.

Ainda segundo o “WSJ”, o grande propósito da indexação deste sistema, é promover a conversação por meios de tópicos, seguindo o mesmo perfil do twitter. Com tudo isso, os usuários ficariam mais tempo conectados ao Facebook e automaticamente teriam mais acessos às propagandas veiculadas na rede social.

Papa 2.0

Há aqueles que acreditam que seja o tal apocalipse, o fato é que, minha gente, o Papa renunciou.

Independente da religião de cada um, vale a pena relembrar alguns do grandes avanços da Igreja Católica na era digital, com Bento XVI.

Em seus oito anos de papado, Bento XVI criou uma conta no Twitter, coordenou a abertura de páginas da Santa Sé no You Tube e no Facebook e autorizou a criação de um site feito para o o catecismo da juventude, o YouCat.

Por outro lado, o que marca o convencionalismo, os comentários nas redes sociais direcionados ao Papa não são respondidos ou publicados. Mesmo assim, a atuação – até que revolucionária – de Bento XVI aproxima a Igreja dos internautas e, consequentemente, dos jovens.

Tá afim de seguir o Papa? O twitter dele em português é @Pontifex_pt

images

@_hrdias

Quando a brincadeira vira coisa séria!

550490_376547369070287_983224809_n

irmã zuleide

Já pensou em se tornar famoso usando a imagem alheia? Ter milhares de seguidores no twitter, ser convidado para se apresentar em festas? E ainda ter mais 2 milhões de curtidas em sua fã page?

Bom, como todos sabem a Irmã Zuleide se tornou um viral nas páginas do Facebook e do twitter. Mas o que o criador deste personagem fictício não imaginava é que esta brincadeira poderia lhe causar sérios problemas!

O grande problema é que a imagem usada para caracterizar a personagem Irmã Zuleide é de uma professora de Campinas. E ela alega que sofreu prejuízos e foi prejudicada no trabalho por conta de toda exposição que sua foto sofreu nas redes sociais.

O criador da Irmã Zuleide foi identificado como Alvaro Oliveira Rodrigues no dia que se apresentou em Santos, e foi parar na Delegacia por conta de toda história e uso da imagem … Isso porque Alvaro não contava com a visita da professora e seu advogado na balada em que estava se apresentando na cidade de Santos.

A vítima, no caso a professora, quer que o conteúdo seja retirado da internet e seu advogado alega caso de constrangimento ilegal e difamação e tudo passará por investigação.

Alvaro, diante do delegado da 1DP, da cidade de Santos, ainda ressaltou que começou a usar a imagem em setembro de 2011 em uma conta no twitter, mas que procurou aleatoriamente no Google, que tinha como intenção ironizar e “satirizar” a igreja evangélica e seus seguidores. O Dj ainda assinou um termo circunstanciado que foi registrado na DP de Santos.

E ficam algumas perguntas: Qual o limite para o uso de imagens alheias e brincadeiras nas redes sociais?

E se fosse com você? Você faria o mesmo?

É preciso repensar sobre o uso da internet e das redes sociais!

O Jornalismo imbecil – Quanto vale uma vida?

Quanto vale uma vida? Será o custo de uma boa história? Quando a busca por reconhecimento e audiência será apenas uma consequência e o que realmente valerá é a informação?

Ontem tivemos um exemplo claro do nível de imbecilidade e falta de princípios!
Enquanto uma aluna tentava se manter em segurança em meio a tiros e desespero, um jornalista em busca de um “furo”, apenas pensava em seu próprio nariz.

Obrigado humanidade, mais um exemplo de que vamos de mal a pior!

(Desculpe por desabafar aqui, apenas senti um asco enorme em relação a toda essa história.)

Veja a história na íntegra:
[Todo o texto abaixo foi escrito aqui]

Amanda usa o Twitter durante o tiroteio

Novamente, um tiroteio dentro de numa universidade norte-americana: a Lone Star College, no Texas. Ao contrário de outras vezes, o tiroteiro de ontem não era um atirador solitário espalhando terror, mas um desentendimento entre duas pessoas que tentaram resolver a disputa à bala.

A polícia ainda tenta manter sigilo dos detalhes e dos nomes dos envolvidos, mas o fato chegou rapidamente à midia por causa de Amanda. A aluna da foto acima se trancou num dormitório ao lado do corredor onde aconteceu o tiroteio. Sem sinal no celular, ela usou a rede sem fio da escola para espalhar a notícia pela internet, com a intenção de que outros alunos e também os seus pais soubessem dos tiros e da localização exata onde ela estava.

No meio do sufoco, a aluna é assediada pela mídia. Acompanhe a sequência de tweets.

 

Alo todo mundo! Tem um homem atirando na ala Norte da escola. Isto não é piada. Por favor, fiquem em segurança. Estou muito assustada.

 

Estou trancada no quarto 163 do prédio acadêmico.

Por favor, avisem a minha mãe. Não consigo sinal de celular aqui no quarto.

Por favor, avisem todos: não venham para o prédio acadêmico.

 

Na sequência, Amanda recebe um pedido inusitado: uma mensagem do jornalista Justin Lear, editor da CNN, que pede fotos do tiroteio.

 

Jornalista: “Você tem algumas fotos do que está acontecendo na escola para compartilhar com a CNN?

Amanda: “Não, porque não posso pensar em tirar fotos enquanto minha vida está em risco”

 

Justin insiste e recebe de volta uma saraivada de tweets tão rápida quanto a ansiedade dele pelo furo jornalístico.

 

Jornalista: “Se estiver interessada em falar com a CNN, por favor me diga como posso contatá-la.”

Romancia (amiga de Amanda):  “Amanda, por favor, fique em segurança. Sua vida é mais importante que os índices de audiência da CNN.”

No final do sufoco, Amanda encerra a transmissão com uma frase conhecida.

 

Amanda: “A gente nunca imagina que essas coisas vão acontecer com a gente.”

@Mikebigode

Curiosidades da internet que você, provavelmente, não sabia

Arr!
Aaaah, o maravilhoso mundo da internet!

Tem muita coisa bem interessante e curiosa por aí que muita gente não sabe…

Foi pensando nisso que resolvemos trazer aqui pro PP alguns desses fatos pra vocês ficarem sabendo também. Confiram:

Curiosidade 1:
Como o símbolo do Twitter é um pássaro e o ícone do “Início” é uma casa de passarinhos, é natural que o 1º avatar da sua conta seja um OVO.

Curiosidade 2:
Originalmente, o domínio http://Gmail.com era usado como serviço de e-mail para fãs de Garfield.

Curiosidade 3:
O “i” nos produtos da Apple tem o seguinte significado: internet, individual, instruct (instruir), inform (informar) e inspire (inspirar).

Curiosidade 4:
Mark Zuckerberg é daltônico e não enxerga as cores vermelho e verde, por isso o Facebook é azul.

Curiosidade 5:
Você pode alterar o idioma do seu Facebook para “Inglês de Pirata”. Quando você faz isso, a palavra “capitão” (captain) aparece antes do nome de todos, as imagens são chamadas de “retratos” (portrait), e seus amigos são chamados de “companheiros” (matey’s). Além disso, quando você vai fazer uma atualização, o botão “publicar” é substituído por “make yer mark”, algo como rabiscar, deixar uma marca.
Caminho no Facebook: “Configurações da conta”/ “Idiomas”/ “English (pirate)”.

Curiosidade 6:
O Monte Everest possui cobertura 3G. Mais de 30% das cidades Brasileiras não.

Curiosidade 7:
O tique duplo no Whatsapp (√√) não indica que a mensagem foi lida, apenas que ela foi entregue.

Curiosidade 8:
A Internet no Brasil é mais lenta que na Etiópia e a mais cara do mundo.

Curiosidade 9:
Steve Jobs, Mark Zuckerberg, Bill Gates, Michael Dell e Eike Batista não terminaram a faculdade.

Esta última, na verdade, não tem exatamente a ver com internet, mas é tão interessante quanto:

Curiosidade 10:
O logotipo original da NIKE foi criado em 1971 e o designer, Carolyn Davidson, só recebeu 35 dólares pelo trabalho.

E aí, já conhecia alguma delas?

(via MUITOinteressante)
 
.
@junavarro

#Infográfico – Todos os tamanhos das imagens nas principais mídias sociais

Para tudo!

Isso aqui é UTILIDADE PÚBLICA, galera!

O infográfico abaixo tem informações sobre os tamanhos das imagens no Facebook, Twitter, Google+, YouTube, LinkedIn e Pinterest. O mais legal é que não inclui dados só sobre perfis, tem também alguns sobre anúncios.

Confiram:

Coisa linda, né?!

Os designers agradecem!

(via LunaMetrics)
 
.
@junavarro

Quando eu crescer, quero ser… uma rede social!

Quase 1 bilhão de usuários do Facebook gastam 405 minutos por mês acompanhando os seus perfis, segundo pesquisa da ComScore em 2012.

“Sai logo desse ‘feicibruiki’ menino, isso  faz mal, eu vi no pograma do domingo de noite. Ai essas tecnologia.”

Cada vez que nossas avós falam isso, elas não pensam que as tais redes sociais não são tão novas assim – claro, nem tanto da época de nossas vovózinhas. Acontece que a palavra que marca a nossa vida atual – Interação – vem sendo buscada há algumas décadas e hoje vivemos o ápice deste conceito.

Acompanhe uma ordem cronológica de como tudo evoluiu para que hoje as redes sociais ligassem as pessoas dos quatro cantos do mundo:

1969 | desenvolvimento da tecnologia dial-up e o lançamento do CompuServe – um serviço comercial de conexão à internet em nível internacional muito propagado nos EUA

1971 | envio do primeiro email

1978 | criação do Bulletin Board System (BBS), um sistema criado por dois entusiastas de Chicago para convidar seus amigos para eventos e realizar anúncios pessoais

1984 | surgimento de um serviço chamado Prodigy para desbancar o CompuServe

1985 | a America Online (AOL) passou a fornecer ferramentas para que as pessoas criassem perfis virtuais nos quais podiam descrever a si mesmas e criar comunidades para troca de informações e discussões sobre os mais variados assuntos

1994 | lançamento do GeoCities. O conceito desse serviço era fornecer recursos para que as pessoas pudessem criar suas próprias páginas na web, sendo categorizadas de acordo com a sua localização

1995 | surgimento do The Globe, que dava a liberdade para que seus adeptos personalizassem as suas respectivas experiências online publicando conteúdos pessoais e interagindo com pessoas que tivessem interesses em comum

1995 | Nasce o Classmates, que visava disponibilizar mecanismos com os quais os seus usuários pudessem reunir grupos de antigos colegas de escola e faculdade, viabilizando troca de novos conhecimentos e o simples ato de marcar reencontros.

1997 | AOL implementou um sistema de mensagens instantâneas, o pioneiro entre os chats

2002 | criação do Fotolog e criação do Frienster, o primeiro serviço a receber o status de “rede social”. Suas funções permitiam que as amizades do mundo real fossem transportadas para o espaço virtual.

2003 | Surge o Linkedin e o My Space

2004 |  Nasce o Flickr, o Orkut e o Facebook

2006 | Surge o Twitter

2011 | É lançado o Google+

É bom as nossas avós irem se acostumando que daqui para frente as redes sociais prometem mais ainda – e muitas novas pautas para matérias no programa da noite de domingo.

@_hrdias

#TheScript – Banda esconde ingressos para serem encontrados por tweets

A banda The Script lançou uma campanha interativa bem legal para promover seu novo álbum junto com a agência digital Essence.

Primeiro, escondiam ingressos pela cidade do show; depois, divulgavam um mapa do local na sua página no Facebook, mas com a visão bem ampla e distante. Pronto! A partir daí era só dar a largada na caça ao tesouro, digo, aos ingressos! \o/

Os fãs precisavam tuitar a hashtag #GetMeToTheScript para que o mapa fosse aproximado e a localização dos ingressos fosse revelada. Depois disso, era só correr lá pra buscar e ir curtir o show.

Essa brincadeirinha já foi feita em 3 cidades do Reino Unido: Londres, Glasgow e Manchester. Tá aí um exemplo interessante de campanha envolvendo Facebook, Twitter e Google Maps!

Bem que isso podia rolar no Brasil… Ou aqui pertinho de casa, pra variar… ; )
 
.
@junavarro