Dia do Ginecologista #FAIL

12 de outubro – Dia das Crianças. Fanpages repletas de sorrisos, cores, nossos baixinhos – e nostalgia.

15 de outubro – Dia do Professor. Homenagens com corujinhas simpáticas e mensagens de motivação.

31 de outubro – Dia das Bruxas (ok ok, do Saci também). O “terror” toma conta e nos sugere: gostosuras ou travessuras?

30 de outubro – Dia do Ginecologista. OH WAIT! Como homenagear tal profissional?

Foi o que tentou a Agência Black, porém sem sucesso. A mensagem “Sabemos que são estritamente profissionais, mas mesmo assim nós invejamos vocês”, postada na fanpage da agência, repercutiu diversos comentários negativos, alegando mau gosto e machismo.

Resultado: pouco tempo depois de ser publicado, o post foi removido, seguido de uma explicação:

Por vezes a intenção não é atingida. Piada? Humor de mau gosto? Péssima homenagem? Publicação desnecessária?

Talvez muitos tenham pensado assim. Em nenhum momento o conjunto da postagem gostaria de atingir um nível maldoso. E, acreditamos que não fizemos isso. Pela simples razão da intenção. Não a tivemos.

Quanto a apagar o post, foi uma medida para que não nos entendessem errado. A comunicação funciona quando o receptor recebe a informação da forma que deveria. Da forma que o emissor tentou informar. E, nisso, acreditamos que falhamos. Falhamos de não nos comunicar perfeitamente. (Declaração da agência Black em sua fanpage)

Veja a “homenagem” abaixo e dê a sua opinião: foi desnecessária?

@_hrdias

 

50 tons de publicidade

Fenômeno mundial, 50 tons de cinza vem excitando conquistando milhões de mulheres e alguns homens curiosos.

Escrito por E. L. James, o livro conta a história de Anastasia Stelle, jovem virgem que conhece o empresário bilionário Christian Grey e, em pouco tempo, começam a viver um relacionamento complicado e embasado em um sadomasoquismo que deixa a protagonista perturbada: Grey exige que ela seja submissa a ele.

Não! Não precisa parar de ler esta postagem e pensar ‘o que isto tem a ver com publicidade?’. A questão é que propagandas em que a mulher foi vista como submissa ao homem e, supostamente, incentivaram a violência sexual, já causaram muita polêmica por aí.

Um recente caso foi a propaganda do homem invisível, da Nova Schin. No vídeo, um grupo de amigos imaginam que são invisíveis e correm atrás de mulheres na praia. Em um trecho, as mulheres são tocada nas costas, o que mais causou polêmica. Internautas consideraram a propaganda como machista e incentivo à cultura de estupro, surgindo até a hashtag #NovaSchinIncetivaEstupro.

Uma outra marca que foi traída por sua mídia on-line foi a de preservativos Prudence. Em formato de tabela calórica, o viral intitulado “Dieta do Sexo” dizia que tirar a roupa de uma mulher queima 10 calorias, enquanto fazer o mesmo sem o consentimento da parceira consome 190 calorias. A peça durou apenas três semanas no ar e foi criticada por milhares de internautas, que alegaram incentivo à violência sexual.

Quem também ficou ‘queimada’ foi a polícia inglesa quando divulgou uma campanha anti-estupro que não conquistou a interpretação ideal. A campanha teve um cartaz distribuído por bares e mostrava uma mulher divertindo-se em uma festa e logo em seguida caída no chão, em aparente sofrimento. “Não deixe uma noite cheia de promessas terminar em uma manhã cheia de arrependimento”, foi interpretado por muitos ingleses como as próprias mulheres, por beberem, serem as grandes culpadas pelo estupro.

Acho que é bom o Sr. Grey pensar bem antes de fazer qualquer propaganda para a Grey Enterprises Holdings INC com a sua ‘filosofia sexual’ e o mesmo teor das propagandas acima.

@_hrdias