Fotógrafo mistura presente e passado em projeto super criativo

O fotógrafo americano Shawn Clover criou um projeto super criativo, decidiu tirar fotos de algumas partes de São Francisco que foram afetadas por terremotos no ano de 1906, grande parte destruída na época agora ganha uma mistura inusitada. Nas fotos montagens o fotógrafo mescla o ano dos acontecimentos com a época atual. Com um lindo contraste entre o preto/branco e o colorido atual , Shawn consegue  transformar uma antiga tragédia em arte. Confira as imagens abaixo ou no site do fotógrafo.

san11 san3 san2

@matheusbtomaz

Por essa Obama não esperava! Fotos inusitadas da posse

Com certeza você já foi flagrado, em fotografias, em cenas ou caras nada legais.

Durante a posse do segundo mandato do presidente americano Barack Obama não foi diferente. Fotógrafos registraram curiosos momentos que deixam qualquer um em saia justa.

Confira:

As filhas do casal Obama, Sasha (esq.) e Malia, fazem pose de 'rappers' para foto com o celular durante desfile celebrando a posse do pai. (Foto: Joe Klamar/AFP)

As filhas do casal Obama, Sasha (esq.) e Malia, fazem pose de ‘rappers’ para foto com o celular durante desfile celebrando aposse do pai. (Foto: Joe Klamar/AFP)

Michelle e suas filhas, Sasha (esq.) e Malia, parabenizam a cantora Beyoncé ao fim da execução do hino americano no Capitólio. (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

Michelle e suas filhas, Sasha (esq.) e Malia, parabenizam a cantora Beyoncé ao fim da execução do hino americano no Capitólio. (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

Sequência mostra o presidente americano brincando com sua mulher, Michelle, durante o desfile. (Foto: Joe Skipper/Reuters)

Sequência mostra o presidente americano brincando com sua mulher, Michelle, durante o desfile. (Foto: Joe Skipper/Reuters)

 

Mike Mignosi e Joseph Velloni (dir.), de Nova York, se beijam durante o baile de gala no Centro de Convenções Walter E. Washington, onde Obama festejou a posse dançando com a mulher. (Foto: Max Whittaker/The New York Times)

Mike Mignosi e Joseph Velloni (dir.), de Nova York, se beijam durante o baile de gala no Centro de Convenções Walter E. Washington, onde Obama festejou a posse dançando com a mulher. (Foto: Max Whittaker/The New York Times)

@_hrdias

O Jornalismo imbecil – Quanto vale uma vida?

Quanto vale uma vida? Será o custo de uma boa história? Quando a busca por reconhecimento e audiência será apenas uma consequência e o que realmente valerá é a informação?

Ontem tivemos um exemplo claro do nível de imbecilidade e falta de princípios!
Enquanto uma aluna tentava se manter em segurança em meio a tiros e desespero, um jornalista em busca de um “furo”, apenas pensava em seu próprio nariz.

Obrigado humanidade, mais um exemplo de que vamos de mal a pior!

(Desculpe por desabafar aqui, apenas senti um asco enorme em relação a toda essa história.)

Veja a história na íntegra:
[Todo o texto abaixo foi escrito aqui]

Amanda usa o Twitter durante o tiroteio

Novamente, um tiroteio dentro de numa universidade norte-americana: a Lone Star College, no Texas. Ao contrário de outras vezes, o tiroteiro de ontem não era um atirador solitário espalhando terror, mas um desentendimento entre duas pessoas que tentaram resolver a disputa à bala.

A polícia ainda tenta manter sigilo dos detalhes e dos nomes dos envolvidos, mas o fato chegou rapidamente à midia por causa de Amanda. A aluna da foto acima se trancou num dormitório ao lado do corredor onde aconteceu o tiroteio. Sem sinal no celular, ela usou a rede sem fio da escola para espalhar a notícia pela internet, com a intenção de que outros alunos e também os seus pais soubessem dos tiros e da localização exata onde ela estava.

No meio do sufoco, a aluna é assediada pela mídia. Acompanhe a sequência de tweets.

 

Alo todo mundo! Tem um homem atirando na ala Norte da escola. Isto não é piada. Por favor, fiquem em segurança. Estou muito assustada.

 

Estou trancada no quarto 163 do prédio acadêmico.

Por favor, avisem a minha mãe. Não consigo sinal de celular aqui no quarto.

Por favor, avisem todos: não venham para o prédio acadêmico.

 

Na sequência, Amanda recebe um pedido inusitado: uma mensagem do jornalista Justin Lear, editor da CNN, que pede fotos do tiroteio.

 

Jornalista: “Você tem algumas fotos do que está acontecendo na escola para compartilhar com a CNN?

Amanda: “Não, porque não posso pensar em tirar fotos enquanto minha vida está em risco”

 

Justin insiste e recebe de volta uma saraivada de tweets tão rápida quanto a ansiedade dele pelo furo jornalístico.

 

Jornalista: “Se estiver interessada em falar com a CNN, por favor me diga como posso contatá-la.”

Romancia (amiga de Amanda):  “Amanda, por favor, fique em segurança. Sua vida é mais importante que os índices de audiência da CNN.”

No final do sufoco, Amanda encerra a transmissão com uma frase conhecida.

 

Amanda: “A gente nunca imagina que essas coisas vão acontecer com a gente.”

@Mikebigode

Paquistanês narra ataque a Osama bin Laden

O ataque que matou Osama bin Laden foi narrado no site de microblogging Twitter em tempo real por um consultor de informática paquistanês.

Bem antes de a morte do líder da Al Qaeda ser noticiada pela mídia ou confirmada pelo presidente Barack Obama, Sohaib Athar, um morador de Abbottabad, de 33 anos, descreveu em tempo real, no Twitter, o ataque que acontecia a alguns quilômetros de sua casa, informa UOL, citando BBC.

Por volta de 1h da manhã desta segunda, horário local (17h de domingo no horário de Brasília), ele disse no Twitter que um helicóptero sobrevoava a região, algo raro, segundo ele.

Em seguida, ele descreveu “uma explosão capaz de sacudir janelas” e disse: “Espero que isso não seja o começo de algo desagradável“.

Pouco tempo depois, Athar informou que relatos online eram de que os helicópteros que sobrevoavam o local não eram paquistaneses.

Ele então fez a seguinte observação: “Engraçado, mudar para Abbottabad fazia parte da estratégia de ‘ficar seguro’“.

Athar teria deixado sua cidade natal, Lahore, e se mudado para a cidade – que abriga uma academia militar – para escapar da violência.

Em seguida, ele postou um mapa com a localização aproximada da explosão.

Quanto veio à tona a notícia de que Osama bin Laden havia sido morto no ataque, Athar começou a juntar e-mails que estava recebendo da imprensa e se descreveu no Twitter como “O cara que blogou ao vivo o ataque contra Osama sem saber“.

Fonte: CCSP

Ogilvy Brasil cria para Coca-Cola nos EUA

A Ogilvy do Brasil é a responsável por duas ações para as marcas Coca-Cola e Fanta. Ambas as criações foram concebidas pelo escritório brasileiro e executadas nos Estados Unidos.

Intitulada “Lift&Laught” a ação de Fanta, solicitada pelo escritório de Nova York da rede, buscava reforçar o posicionamento da marca, ao dizer que com Fanta o “único caminho é para cima”.

A agência então escolheu um elevador em uma escola na cidade de Atlanta para despertar risos e a curiosidade dos estudantes. Dentro do “meio de transporte” foi instalado um dispositivo que reagia aos movimentos e comentários dos alunos.

Algumas vezes repetia tudo que uma pessoa dizia para a outra. No caso do estudante estar sozinho no elevador, por exemplo, ao encostar numa parte da parede, um som simulava um choque.

Ao final da viagem, uma espécie de tapume se abria mostrando um refrigerador e diversas latas de Fanta. Bolinhas laranjas (cor da marca) eram jogadas, simulando uma festa.

As reações foram gravadas pela produtora Definiton 6. Muitas pessoas não queriam descer do elevador ou pediam para repetir a viagem. De acordo com Anselmo Ramos, diretor de criação da Ogilvy, a ação não faz parte de uma campanha específica e visa principalmente a consolidação da imagem que a marca, que é transmitir alegria.

 

O vídeo da ação nos elevadores

No caso de Coca-Cola, um viés mais emocionante foi adotado. A execução da ação foi aconteceu no Natal de 2010 com o nome de “Forgotten Letters”.

Tudo se passa na cidade de Santa Claus, no estado de Indiana, EUA. No local existe um museu que reúne diversos objetos relacionados à figura do Papai Noel e que há mais de setenta anos recebe cartas do mundo todo.

O anunciante e a agência escolheram 40 delas e foram procurar as pessoas que escreveram para entregar o presente. De uma boneca, a um cavalo, os  desejos eram diversos.

O resultado foi um comovente filme que traduz o conceito da Coca-Cola sobre acreditar, além de reforçar a magia do Natal. A produtora Hungry Man acompanhou a Ogilvy nessa jornada.

 

“As cartas esquecidas de Papai Noel”

O fato de as ações terem sido criadas para outros escritórios é algo comum dentro da rede Ogilvy. “Por sermos uma agência com trabalhos relevantes, somos convidados para a realização de vários pitchings globais. É uma prática recorrente no grupo”, relata Ramos.

Para o criativo, mesmo sendo filmes que não estão relacionados a uma campanha específica, o importante é a mensagem que eles passam e que amparam a marca na fixação de sua imagem. “Queremos sempre produzir conteúdo relevante, não importa a plataforma”, conta.

Ramos destaca que só o fato de as pessoas assistirem o filme, mesmo que no YouTube, gera discussões em torno do assunto e com as redes sociais, os usuários interagem e passam para frente a mensagem proposta pela marca.

Essa é a mesma receita que foi utilizada na criação dos cases “Conta de 73 mil” (que ganhou Ouro em Cannes) e “Drunk Vallet”, recém-lançado. Na ação, um motorista de estacionamento fingia estar bêbado e mesmo assim abordava os clientes para estacionar os veículos. O resultado foi um vídeo que mostra que nenhuma pessoa deixou um motorista alcoolizado dirigir o carro.

Fonte: Meio e Mensagem

A marca Pringles é vendida!

A marca de batatas Pringles foi vendida pela Procter & Gamble para Diamond Foods por US$ 1,5 bilhão, segundo a Reuters. A empresa, que triplica sua atuação na área de salgadinhos com a aquisição, assumirá ainda US$ 850 milhões em dívidas da Pringles, como parte das negociações.

Bom, depois da gafe nos EUA com a história da massa de batata, melhor vende-la mesmo antes que maiores estragos a marca aconteçam.