O fenômeno tem um novo nome: Nicholas Sparks

Por Bia Leotta

 

Esqueça Cinderela, Bela Adormecida e qualquer outra princesa da Disney. A moda para as apaixonadas de plantão agora se chama Nicholas Sparks.

Não reconhece o nome? Então vamos mencionar algumas de suas obras literárias que viraram filmes: Diário de uma Paixão, Um Amor para Recordar, Querido John. Que jogue a primeira pedra quem nunca viu ou ouviu alguém comentar sobre esses títulos. Pronto, vocês já estão devidamente apresentados.

Agora vamos as estatísticas: o que você pensaria se eu te dissesse que 90% dos livros do cara viraram filmes hollywoodianos? Livros esses, vendidos em 35 países e traduzidos para mais de 20 idiomas! São edições que percorrem todos os continentes, exceto a África! Vocês tem noção da magnitude disso?

E sabe porquê todo esse sucesso? Porque as leitoras de contos cresceram. E o “felizes para sempre” foi substituído por um drama comovente, sensível e principalmente, humano, na ponta da caneta (ou do iPad) do escritor americano.

A verdade é que, sem o romance arrebatador certinho e perfeitinho, a história fica mais real aos olhos das fãs, elas se identificam. E aí eu levanto a bola: quer dizer que o cara pode usar a mesma métrica mela cueca de SEMPRE, aquela dos livros da Danielle Steele e Amanda Quick que a minha mãe lia, mudando só o final pra algo trágico, que isso se torna ok? Se torna mais plausível? É essa a parte humana que a gente tá dizendo? Então Romeu e Julieta pode ser considerado real também?

Não faz sentido pra mim. As pessoas se identificam com aquilo que possam sentir, que é próximo do real pra elas. Então, ter um relacionamento FODA com alguém e ser feliz não pode, mas ter um relacionamento FODA com alguém que vai morrer, pode? Gente, mas que vida triste é essa? O que de fato é aceitável aqui? Isso é real MESMO?

Desculpem, mas eu ainda acredito no amor verdadeiro e duradouro. E o que me deixa feliz e com esperança no mundo é que o Nicholas também parece pensar assim agora. Assistam ao “Um homem de sorte” e vocês vão entender. Aos adoradores: os finais podem ser felizes também.

 

Anúncios

Sobre bialeotta

Bia é redatora, revisora, jornalista e tudo o mais que der pra ser em 24 horas. É isso que dá ser curiosa.

Um pensamento sobre “O fenômeno tem um novo nome: Nicholas Sparks

  1. Eu gosto de Crepúsculo.Os livros são mal escritos, os personagens pobres e a escritora apela para os clichês do gênero? Sim, sem dúvida.Os filmes são mal produzidos, com atuações fracas e alguns momentos de vergonha alheia? Concordo.Entretanto, tanto os filmes quanto os livros me proporcionaram horas de agradável entretenimento. Ou seja, cumpriram seu papel.Repito. Eu gosto de Crepúsculo.Dito isso, doutos julgadores, vcs podem proferir a sentença: que eu sou imatura, tenho pouca cultura, tenho mau gosto, sou carente, infantil… ah, e que Crepúsculo é uma m*.Fica, porém, o questionamento: entrar em uma notícia referente a um assunto que não te interessa (que vc odeia, na verdade) e postar comentários xingando tanto aqueles que gostam como o próprio assunto, é um exemplo de maturidade?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s